Significado de Reino Animalia

¿O qué é o reino animalia?

São todos animais que possuem cuatro características essenciais: são heterotróficos (alimentam-se de matéria orgânica dentro do ciclo da vida), tissulares (presença de tecido em sua estrutura celular), pluricelulares (têm um corpo com duas ou mais células) e eucariotas (constituídos por uma ou mais células eucarióticas, um termo observado individualmente com maior presença no reino plantae, das plantas). Vem do latim com o mesmo nome, animalia, e se refere às particularidades de cada uma dessas criaturas.

¿Existem quantas espécies de animais?

Segundo um estudo publicado na revista científica PLOS Biology, em 2011, estima-se que existam 7,77 milhões de espécies no planeta, mas apenas 12% estão corretamente documentadas.

Seus autores, da Universidade do Havaí, Estados Unidos, expressaram preocupação sobre o desconhecimento e imprecisão de um campo que enquadra a faixa entre 3 e 100 milhões de espécies (somando os mundos plantae, animalia, fungi, entre outros), o que resultou em 8.750 milhões.

Aristóteles propôs a primeira classificação dos animais

Segundo o filósofo, os animais deveriam ser classificados levando em conta a configuração de seus órgãos e de todo seu corpo. Para isso, introduziu o conceito de espécie, uma entidade abstrata que permite abranger diferentes seres individuais.

O mundo natural o dividiu em dois blocos: plantas e animais. Estes últimos foram subdivididos em duas categorias: aqueles que possuem sangue e os que não. Os sanguíneos correspondem basicamente aos vertebrados e os não sanguíneos aos invertebrados.

Os mamíferos (animais sanguíneos vivíparos) foram divididos em três grupos: bípedes, quadrúpedes e aquáticos. Em relação aos cetáceos, Aristóteles não os classificou dentro do grupo de peixes, uma vez que os catalogou na categoria de mamíferos.

O sistema aristotélico de classificação não foi superado até o século XVIII, quando o naturalista sueco Carl von Linné (conhecido como Carlos Lineu em português) introduziu o modelo de ordenação que conhecemos atualmente.

Classificação: Vertebrados e Invertebrados

Além das inúmeras distinções que podem ser realizadas, a principal base de classificação, historicamente, abrange o agrupamento de dois níveis e sobre os quais se desprendem determinadas subcategorias denominadas cientificamente como filos:

Vertebrados (corresponde a 97,5% das espécies, distingue 5 filos entre mamíferos, peixes, anfíbios, aves e répteis).

Invertebrados (compreende 2,5% das criaturas; conta com a particularidade notável de seus corpos não possuírem esqueleto ósseo; cataloga 8 filos entre antrópodes – crustáceos, miriápodes e aracnídeos -; assim como se destacam os grupos de moluscos – através de lulas, caracóis e polvos -; equinodermos – com as estrelas e ouriços-do-mar -; poríferos – relacionado com as esponjas; cnidários – pelos corais e águas-vivas, e finalmente os anelídeos, nematoides e platelmintos que incluem lombrigas, minhocas e parasitas, respectivamente).

Características do Reino Animalia

– As células das criaturas que formam uma espécie constituem tecidos, órgãos, aparelhos e sistemas. Isto quer dizer que as células de cada animal são organizadas para cumprir funções específicas.

– Sua complexa estrutura está diretamente relacionada à evolução das espécies.

– Os animais não elaboram seus próprios alimentos e precisam nutrir-se de outros seres vivos. Em outras palavras, sua forma de alimentação é heterotrófica.

– Os seres vivos deste grupo respiram de maneira aeróbica e na maioria dos casos se reproduzem sexualmente.

Taxonomia: a disciplina que organiza os seres vivos

A grande diversidade de espécies dos diferentes reinos requer uma ordem adequada baseada na similaridade das espécies. A taxonomia é o ramo da ciência que classifica os diferentes reinos da natureza.

Cada nível organizativo é um táxon, que vai do maior para o menor e são os seguintes: reino, filo, classe, ordem, família, gênero e espécie.

As 7 categorias taxonômicas aplicadas aos humanos

Quando aplicamos as categorias taxonômicas ao ser humano obtemos o seguinte resultado: pertencemos ao Reino Animalia, ao filo dos cordados, à classe dos mamíferos, à ordem dos primatas, à família dos hominídeos e ao gênero homo.

O nome que recebemos como espécie provém do gênero e do sobrenome da espécie. Em outras palavras, cada um de nós é um Homo sapiens.

Relacionado